Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Portal da Igreja do Evangelho Quadrangular

Publicado em 11/06/2018

Atualidades

65% das mortes por gripe no Brasil em 2018 ocorreram pelo vírus H1N1

País teve 374 mortes por influenza entre janeiro até 2 de junho de 2018, mostram dados do Ministério da Saúde. Vacinação para grupos prioritários vai até o dia 15.


Vacinação para grupos prioritários vai até o dia 15.


O Brasil teve 374 mortes por influenza até o dia 2 de junho de 2018 e 65% delas (243) foram provocadas pelo vírus do tipo H1N1, mostra o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde sobre a gripe. O vírus H1N1 também é o que mais circula no país: dos 2315 casos registrados, 60% das infecções ocorreram por essa cepa específica do micro-organismo.


Os demais casos e mortes foram causadas pelo influenza H3N2, com 463 casos e 70 óbitos; pelo influenza B (236 casos e 29 mortes); e pelo influenza A (221 casos e 32 óbitos).


O Ministério da Saúde informa que, na maioria das mortes (71,4%), os pacientes apresentavam outra doença quando foram infectados.


Diabetes, pneumonias e doenças cardiovasculares são condições comuns que costumam aumentar a letalidade dos infectados por influenza.


Pacientes que morreram por influenza tinham em média 52 anos. A taxa de mortalidade por influenza no Brasil está em 0,18% para cada 100.000 habitantes.


Vacinação

Aqueles com indicação para tomar a vacina contra a gripe têm até a próxima sexta-feira (15) para se vacinar, diz o Ministério da Saúde.


Até agora, a campanha atingiu 78,4% do público-alvo (41,2 milhões): 13,1 milhões de pessoas ainda devem procurar os postos de saúde para que a meta de 54,4 milhões seja atingida.


Crianças entre seis meses e cinco anos foram as menos vacinadas: 57,5% foram levadas para os postos de saúde.


O número de crianças vacinadas, contudo, aumentou em relação aos dados divulgados em maio: na ocasião, 34,9% haviam sido imunizadas.


Quem tem indicação para a vacinação gratuita:

•Professores da rede pública e privada;

•Profissionais de saúde;

•Crianças entre 6 meses e cinco anos (estão com a menor cobertura);

•Gestantes;

•Mulheres com parto recente (com até 45 dias);

•Idosos a partir de 60 anos;

•Povos índigenas;

•Portadores de doenças crônicas;

•População privada de liberdade (inclui funcionários do sistema prisional e menores infratores).

G1.globo.com